Tradução do FAQ de 13 de Maio de 2016 do National Pressure Ulcer Advisory Panel (NPUAP)

Dra. Maria Helena Sant Ana  Mandelbaum
Prof. Dra. Vera Lucia Conceição de Gouveia Santos

Porque não houve consenso a respeito de alguns aspectos das novas definições?
Consenso é um processo para desenvolver um entendimento comum em áreas onde a ciência não pode fornecer orientação, ou tal ciência ainda não está disponível. Nesse processo, o NPUAP optou por substituir a denominação úlcera por pressão (pressure ulcer), utilizada para classificar o dano provocado pela pressão aos tecidos moles, pela expressão "lesão por pressão" (pressure injury). O termo "lesão" mostrou-se mais inclusivo para todos os seis estágios.  A Lesão por pressão em Estágio 1 está presente como pele intacta assim como a Lesão por Pressão Tissular Profunda, que sempre utilizou a palavra “lesão” na nomenclatura.

Tanto as palavras "prolongada" e "intensa" como os aspectos da pressão que levam à ulceração têm sido descritos desde 1961, por Kosiak. Os fundamentos físicos da pressão não podem ser mudados. O trabalho de Kosiak permitiu a compreensão da Lesão por Pressão Tissular Profunda porque foram observadas inicialmente em pessoas submetidas à pressão intensa quando encontradas deitadas sobre concreto, piso de cozinha etc, por um período de tempo prolongado. Esses são os mesmos fenômenos em casos de lesões por pressão que se desenvolvem na sala de cirurgia. Estudos sobre a etiologia e os mecanismos tissulares da lesão por pressão foram ampliados por Oomen, na Holanda, e pelo grupo de pesquisa de Gefen, em Israel. O consenso não foi requerido nessa área. Tempo específico e pressão específica não foram identificados porque o aspecto do desenvolvimento da lesão por pressão que deve ser equacionado é a tolerância individual à pressão.

A palavra “lesão" aumenta a probabilidade de processo legal relacionado à “lesão por pressão"?
Este assunto foi discutido em detalhes pelo NPUAP antes da reunião de consenso. Plaintiff e advogados de defesa que trabalham nessa área foram consultados. Em síntese, suas respostas foram: “os profissionais precisam desenvolver a ciência os advogados olham os fatos para determinar se a lesão é inevitável”. 

Para maiores informações sobre lesões por pressão inevitáveis, por favor acesse o trabalho previamente publicado pelo NPUAP nessa área (http://www.npuap.org/resources/white-papers/). 

Enquanto o termo “lesão" pode ser usado em instruções de julgamento, a definição precisaria ser explicada dentro do contexto clínico. A palavra "lesão" ocorre em outros diagnósticos clínicos que podem ou não ser objeto de litígio, como lesão renal aguda, lesão medular, lesão cerebral traumática, como alguns exemplos.

Os participantes da reunião de consenso fizeram algumas mudanças significativas nas definições propostas?
Sim, numerosas mudanças foram feitas nas definições propostas, por exemplo, a inclusão de dispositivos não médicos como causa de exposição à pressão; e a idéia de que algumas Lesões por Pressão Tissular Profunda podem se resolver. O relatório da conferência incluirá todas as mudanças para cada definição.

Porque foi removido o termo "suspeita" do estágio Lesão por Pressão Tissular Profunda (LPTP)?
A definição original foi escrita há mais de 10 anos atrás e pouco se sabia sobre o problema de LPTP naquele tempo. Atualmente o conhecimento é maior e somos capazes de diagnosticá-la com mais acurácia. Os clínicos podem adicionar a palavra "suspeita" à documentação referente a qualquer definição ou condição. Por exemplo, um paciente poderia apresentar suspeita de lesão por pressão ou suspeita de lesão por pressão em estágio 2.

As mudanças serão caras em nosso sistema. Quando teremos que fazê-las?
Não houve mudanças nos estágios das lesões por pressão; o que se conhece hoje como Estágio II ainda é um Estágio 2. No entanto, o NPUAP recomenda que o sistema seja modificado para incluir a nova terminologia “lesão por pressão” quando outras mudanças forem realizadas. Muitas organizações já estão incorporando o termo “lesão” em sua documentação.

É provável que se tenham tomado decisões similares há alguns anos quando insuficiência renal aguda se tornou lesão renal aguda ou quando mudanças no infarto do miocárdio nos últimos anos levaram à adoção da terminologia “Angina Instável/STEMI/NonSTEMI” como parte das Síndromes Coronarianas Agudas.

Quando as organizações federais e regulatórias relacionadas aos cuidados com a pele realizarão as mudanças na classificação das lesões por pressão?
O NPUAP é responsável por incorporar a ciência para realizar as mudanças necessárias combinadas ao consenso para esclarecer ou ampliar a nomenclatura. O NPUAP compartilhou as mudanças com os organismos norte-americanos (Centre for Medicare & Medicaid Services - CMS) e espera trabalhar com eles em um plano de implementação. Todas as mudanças objetivam melhorar a precisão da avaliação e documentação. 

O NDNQI mudará a nomenclatura para lesão por pressão em seus sistemas?
Sim, o National Database of Nursing Quality Indicators está mudando seus documentos e módulos de treinamento para o novo sistema. As mudanças estarão efetivadas em 2017.

Como seremos pagos por lesão por pressão já que a nomenclatura não está inserida nos códigos do CID 10 ?
O atual sistema de codificação CID 10* inclui a terminologia "úlcera por pressão" e marcadores são fornecidos com sinônimos para a condição como: úlcera de decúbito (bed sore, decubitus ulcer, pressure sore), úlcera por gesso (plaster ulcer) e área de pressão (pressure area). O NPUAP está trabalhando com as Organizações Internacionais de Feridas para incorporar a terminologia “lesão por pressão".

O NPUAP tem algum material de treinamento sobre o novo sistema de classificação?
Sim, um conjunto de slides está disponível no site do NPUAP. O trabalho artístico que acompanha o novo sistema de classificação está disponível gratuitamente em http://www.npuap.org/resources/educational-and-clinical-resources/pressure-injury-staging-illustrations/

*No Brasil, o CID inclui as seguintes nomenclaturas para descrever as lesões por pressão (úlceras por pressão): L89 - Úlcera de decúbito (informação das tradutoras)

Área do Associado